AD291: Limites da igualdade de género: Os Moçambicanos pobres e com menos escolaridade têm menos probabilidade de ver melhorias

Bienvenue à la section des publications d’Afrobaromètre. Pour des brèves analyses d’actualité, veuillez voir nos notes informatives (pour les séries d’enquêtes 1-5) et dépêches (à partir de la Série 6). Pour des analyses plus longues et techniques, se focalisant sur des questions de politique, regardez nos documents de politique. Nos documents de travail sont des analyses approfondies destinées à la publication dans des revues académiques ou des livres. Vous pouvez aussi rechercher dans toute la base des publications à partir des mots-clés, la langue, le pays, et/ou l’auteur.

Filter content by:

Dépêches
2019
291
Sadhiska Bhoojedhur e Thomas Isbell

A igualdade de género está consagrada na Constituição de Moçambique e é promovida através da sua participação em convenções e tratados internacionais assim como no seu Código da Família de 2004, o qual requer igualdade na propriedade e legislação familiar, incluindo a partilha dos bens no casamento (Federação Internacional para os Direitos Humanos; ONU Mulheres, 2012). Durante o lançamento de um Plano Nacional de Ação para as Mulheres, Paz e Segurança em Junho de 2018, o Ministro do Género, Criança e Ação Social reiterou o compromisso do governo para a promoção da igualdade de género, enfatizando que a participação equitativa de homens e mulheres em todas as esferas da sociedade é um pré-requisito para o desenvolvimento sustentável (AllAfrica, 2018).

No entanto, as disparidades de género são uma realidade persistente para muitas mulheres em Moçambique, em formas que variam entre o casamento infantil e a gravidez na adolescência à violência doméstica e abuso sexual (Cumbe, Materula, Sadler & Agosta, 2017; Christensen, 2018). De acordo com um relatório de uma Equipa Nacional das Nações Unidas (2013), mais de metade das mulheres Moçambicanas reportaram ter sofrido alguma forma de violência física, sexual, ou psicológica, e quase três quartos das raparigas disseram que tinham conhecimento de casos de abuso e assédio sexual nas suas escolas. Moçambique está classificado em 138º lugar entre 164 países no Índice de Desenvolvimento de Género do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (2018), e especialmente no norte e nas áreas rurais, ainda imperam os valores patriarcais tradicionais (Tvedten, 2011).

Nas funções de liderança, as mulheres moçambicanas estão melhor representadas do que as mulheres em muitos outros países africanos: 40% do Parlamento moçambicano é composto por mulheres (Banco Mundial, 2018). No entanto, embora o Relatório Global sobre a Disparidade de Género tenha classificado Moçambique no 1º lugar em África em 2008, em termos de participação económica e oportunidade, em 2018 o país tinha caído para 7º lugar (49º mundial) devido aos retrocessos na participação das mulheres no mercado de trabalho, particularmente em cargos seniores e de administração (Fórum Económico Mundial, 2008, 2018).

De acordo com o mais recente inquérito da Afrobarómetro, a maioria dos moçambicanos pensa que a igualdade de género foi alcançada em relação à educação, trabalho e terra, e dão ao governo boas classificações na promoção de oportunidades para mulheres. No entanto, os cidadãos mais pobres e com menos escolaridade têm consideravelmente menos probabilidade de percepcionarem o progresso na igualdade de género. Adicionalmente, o apoio à igualdade por parte dos moçambicanos é desigual: Embora a maioria apoie a igualdade no acesso à terra e à liderança política, as maiorias priorizam os homens no que respeita a arranjar um emprego e dizem que as famílias ficam melhor se uma mulher, e não um homem, tomar conta da casa e dos filhos.

Contenu connexe